Revistas Internacionais Indexadas

Análise de IL-2, produção de IFN-γ e TNF-α, integrinas α5β1 e distribuição de filamentos de actina em macrófagos peritoneais de camundongos tratados com medicamento homeopático (2002)

As novas formas de terapia imunomoduladora visam células específicas ou citoquinas que contribuem para a resposta imune. Essas formas de imunoterapia têm sido chamadas de “modificadoras da resposta biológica”. Nosso laboratório estava interessado em investigar se o medicamento homeopático “Método Canova” (MC), vendido em farmácias homeopáticas, aumenta o sistema de respostas imunológicas agindo através dos macrófagos. Os macrófagos peritoneais de camundongos foram cultivados com ou sem o medicamento homeopático por 24 horas para α5, β1 e distribuição de filamentos de actina analisados através de microscópio confocal. Para detectar produção de IL-2, IFN-γ e TNF-α, essas células foram cultivadas por 48 horas com ou sem medicamento, seguido de análise dessas citoquinas em cultura com kits ELISA. Foram observadas diferenças na morfologia e distribuição molecular (integrinas α5 e β1, filamentos de actina e receptores Fc) entre os grupos controle e tratado com MC. No grupo controle, os macrófagos tinham morfologia de células residentes e no tratado com MC os macrófagos estavam mais espraiados, com muitas projeções celulares e aumento substancial no volume citoplásmico. Além disso, os macrófagos em cultura com 2 doses de MC mostraram que a produção de TNF-α diminuiu quando comparado com o grupo controle.

Ano de publicação: 2002

Em: Journal of Submicroscopy Cytology and Pathology

Clique aqui para baixar este Trabalho em PDF

O composto anticâncer homeopático “Método Canova” não é genotóxico para linfócitos humanos in vitro (2003)

O Método Canova (MC) é um medicamento homeopático indicado para o tratamento de pacientes com câncer e para patologias que envolvem um sistema imune deprimido, como AIDS. Esse produto é composto pelas diluições homeopáticas de Aconitum napellus, Arsenicum album, Bryonia alba, Lachesis muta e Thuya occidentalis. Ele estimula o sistema imune através da ativação de macrófagos. Os macrófagos ativados estimulam os linfócitos para que aumentem sua ação citotóxica em resposta ao crescimento tumoral ou infecção. Sabendo que o MC estimula e acelera a atividade dos macrófagos e linfócitos, nós avaliamos os efeitos genotóxicos induzidos em linfócitos humanos tratados com esse medicamento homeopático in vitro. Aberrações estruturais e numéricas de cromossomos foram contabilizadas para a avaliação de efeitos genotóxicos induzidos, enquanto a variação no índice de mitose foi considerado como monitor da toxicidade celular induzida. Os linfócitos foram cultivados por 24, 48 ou 72 horas nas seguintes concentrações finais do complexo medicinal MC: 4, 8 e 12%. Tratamentos com o MC não afetaram os índices de mitose, nem provocaram aberrações cromossômicas, quando comparados com controle não-tratado. Não existiram citotoxicidade nem genotoxicidade em nível cromossômico.

Ano de publicação: 2003

Em: Genetics and Molecular Research

Clique aqui para baixar este Trabalho em PDF

O efeito imunomodulador do medicamento Canova em infecção experimental de Leishmania amazonensis (2005)

O objetivo deste estudo foi investigar o efeito do Medicamento Canova na infecção experimental por Leishmania amazonensis (Leishmania). Macrófagos peritoneais de camundongos Balb/c foram distribuídos em placas de 24 poços e depois de 60 minutos foi adicionado o Medicamento Canova nas concentrações de 20% e 40%. Após 24 horas os macrófagos foram infectados com formas amastigotas de L. amazonensis (L.). A atividade leishmanicida do macrófago foi avaliada 24 h e 48 h após a infecção, através da determinação do Índice de Infecção. Também foi avaliada a produção de óxido nítrico (NO) em culturas de macrófagos tratados com o Medicamento Canova. A evolução da infecção foi avaliada nas patas de camundongos inoculadas com formas promastigotas de Leishmania, através da determinação do aumento do volume das lesões e da carga parasitária nos linfonodos regionais e no baço dos animais. Os camundongos foram tratados diariamente com o Medicamento Canova durante 9 semanas. Os resultados in vitro mostraram que o Medicamento Canova na concentração de 40 por cento reduziu o Índice de Infecção. Também foi demonstrado que o tratamento com o medicamento estimulou a produção de NO em macrófagos elicitados, sugerindo que o efeito inibitório do medicamento sobre o Índice de Infecção possa ser mediado pelo NO. Na infecção in vivo, o tratamento dos animais com o Medicamento Canova, por via intragástrica ou por via subcutânea, reduziu acentuadamente a lesão na pata. Observou-se ainda que o tratamento com o medicamento por via intragástrica diminuiu a carga parasitária nos linfonodos poplíteos e no baço dos animais. Estes resultados indicam que o Medicamento Canova modula a infecção experimental por Leishmania, controlando a progressão da infecção e limitando a sua disseminação.

Ano de publicação: 2005

Em: Journal of Infection

Clique aqui para baixar este Trabalho em PDF

Estudos histopatológicos e imunofenotipagem em camundongos normais e portadores de sarcoma 180, tratados com medicamento homeopático complexo (2005)

Canova é um medicamento homeopático complexo, utilizado como imunomodulador. Nós estudamos seu efeito em camundongos normais e portadores de sarcoma 180. Três grupos controle também foram avaliados. Os camundongos foram examinados em intervalos diários e os tumores observados histologicamente. O sangue periferal foi examinado por citometria de fluxo. Um atraso no desenvolvimento, e uma redução no tamanho dos tumores, e aumento na infiltração pelas células linfóides, granulação de tecido, e fibrose em volta do tumor foram observados no tratamento ativo, comparado ao controle. Todos os animais do grupo tratado sobreviveram, 30% do grupo controle morreram. Em 30% dos animais tratados, uma regressão total do tumor foi confirmada utilizando microscópio ótico, nenhuma regressão foi encontrada nos grupos controle. O tratamento com Canova aumentou o número total de leucócitos e linfócitos. Entre linfócitos, TCD4 aumentou em grupos tratados normal e B e células NK em grupos tratados S180. Os resultados refletem aumento na resposta imunológica do hospedeiro após tratamento com Canova.

Ano de publicação: 2005

Em: Homeopathy

Clique aqui para baixar este Trabalho em PDF

Camundongos portadores de Sarcoma sem tratamento. Dir.: tratados com Canova®. Observar a redução do volume tumoral, ganho de peso e crescimento.

Redução do volume da massa tumoral após o tratamento com Canova®

Fagocitose, sistema endossômico/lisossômico e outros aspectos celulares da ativação de macrófagos pelo medicamento Canova (2006)

Canova é um medicamento homeopático com propriedades imunomodulatórias, recomendado para doenças onde o sistema imune encontra-se deprimido. Nossa pesquisa foca estudar a ativação de macrófagos peritoneais em camundongos quando submetidos a tratamento in vivo e in vitro com Canova. Parâmetros morfológicos e atividade de fosfatase ácida foram analisados utilizando microscópio ótico e eletrônico de transmissão. Microscopia de interferência de contraste diferencial, incluindo aquisição de células vivas com lapso de tempo também foram feitos. Os resultados demonstraram uma maior capacidade de expansão em macrófagos tratados com Canova, maior atividade fagocítica de microorganismos não-infectivos (Saccharomyces cerevisiae e Tripanosoma cruzi Epimastigotes) e tendência de diminuição da atividade fagocítica de microorganismos infectivos T. cruzi trypomastigotes e Leishmania Amazonensis, quando comparado com células controle. Atividade de fosfatase ácida foi analisada e demonstrou que o tratamento com Canova estimula um aumento do sistema endossômico/lisossômico. Macrófagos tratados que interagem ou não com levedura apresentam número maior de vesículas marcadas de fosfatase ácida comparada a células controle. Em contraste, a atividade de fosfatase ácida tartarato resistente é menor em macrófagos tratados com Canova. Os resultados demonstram que o medicamento Canova é um eficiente estimulante da atividade de macrófagos.

Ano de publicação: 2006

Em: Micron

Clique aqui para baixar este Trabalho em PDF

Fagocitose aumentada de Saccharomyces cerevisiae e Trypanosoma cruzi epimastigota (p<0.01)

Canova, uma formulação medicinal brasileira, altera o metabolismo oxidativo de macrófagos de camundongos (2006)

Macrófagos têm um importante papel no mecanismo de defesa. Quando ativados, eles podem produzir espécies reativas de oxigênio, bem como espécies reativas de nitrogênio relacionadas. Espécies reativas de oxigênio são produzidas via oxidase NAD(P)H que catalisa a formação de superóxido (OK2). Ela é subseqüentemente convertida para peróxido de hidrogênio (H2O2) por dismutação espontânea ou mediada por enzimas. A sintase do óxido nítrico (NOS) catalisa a formação de óxido nítrico (NO). Canova (CA) é um medicamento brasileiro produzido através de técnicas homeopáticas, composto de Aconitum, Thuya, Bryonia, Arsenicum, Lachesis em água destilada contendo menos de 1% de etanol. Estudos prévios demonstraram que o Canova não é tóxico nem mutagênico, e ativa macrófagos diminuindo a produção de TNFa. Neste ensaio nós demonstramos que os macrófagos, impulsionados pelo Canova, aumentaram a atividade de oxidase NAD(P)H, bem como de iNOS (óxido nítrico sintase induzível), conseqüentemente produzindo, respectivamente, ROS e NO. As atividades de oxidase de citocromos e peroxissomas foram inibidas pelo NO. Como NO e OK2 estão sendo produzidos ao mesmo tempo, a formação de peroxinitrito (ONOOK) pode estar ocorrendo. Uma explicação provável é dada sobre como o tratamento com Canova pode aumentar as funções imunes, o que poderia ser particularmente importante na ação citotóxica dos macrófagos. O Canova pode ser considerado um novo método terapêutico adjuvante para tratamentos conhecidos.

Ano de publicação: 2006

Em: Journal of Infection

Clique aqui para baixar este Trabalho em PDF

Produção de óxido nítrico (p<0.01)

Ativação de células de medula óssea tratadas in vitro com Canova (2006)

Canova é um medicamento complexo homeopático brasileiro produzido do Aconitum, Thuya, Bryonia, Lachesis e Arsenicum. Estudos anteriores demonstraram que o Canova induz uma regulação positiva em números de leucócitos. O microambiente da medula óssea é composto de fatores de crescimento, células do estroma, matriz extracelular, e células progenitoras que se diferenciam para células sanguíneas maduras. Como é o mais importante local de formação de células sanguíneas, nós estudamos os efeitos do Canova in vitro em células da medula óssea de camundongos. Os fêmures de camundongos suíços foram dissecados, limpos e a medula foi obtida através de lavagem. As células foram incubadas por diferentes períodos e processadas através de microscopia óptica, eletrônica de varredura, e confocal, e também citometria de fluxo. O tratamento não modificou a expressão dos marcadores de superfície analisados nem a produção de citocinas. Todas as técnicas de microscopia mostraram que macrófagos (CD11bþ) e células aderentes foram ativadas pelo tratamento. O Canova também aumentou os grupamentos celulares sobre células aderentes, sugerindo áreas de proliferação.

Ano de publicação: 2006

Em: Cell Biology International

Clique aqui para baixar este Trabalho em PDF

Microambiente da medula óssea e interações celulares (setas); essas células de medula óssea foram cultivadas e tratadas com Canova, permitindo a diferenciação celular.

Respostas Bioquímicas em Camundongos Experimentalmente infectados com Paracoccidioides brasiliensis e tratados com Canova (2006)

O objetivo deste trabalho era avaliar os parâmetros bioquímicos em camundongos infectados com Paracoccidioides brasiliensis e o efeito do medicamento Canova nestes parâmetros. Foram utilizados camundongos infectados com Paracoccidioides brasiliensis Pb18 isolado e tratados com Canova por 17 semanaS. Os parâmetros bioquímicos analisados foram os níveis de aspartato aminotransferase, alanina aminotransferase, fosfatase alcalina e amilase, e a concentração de proteínas totais, albumina e globulinas. Os resultados sugerem que os animais tratados com Canova tiveram menos alterações funcionais em seus órgãos internos.

Ano de publicação: 2006

Em: Brazilian Archives of Biology and Technology

Clique aqui para baixar este Trabalho em PDF

Efeitos in vivo e in vitro do medicamento Canova em infecção experimental com Paracoccidioides brasiliensis em camundongos (2006)

O objetivo era avaliar a atividade in vivo e in vitro do Canova em infecção experimental com Paracoccidioides brasiliensis. Camundongos infectados com P. brasiliensis foram tratados com Canova por 17 semanas. Medidas de follow-up incluíram a determinação de anticorpos totais, contagem global e diferencial de leucócitos. Depois, a produção de óxido nítrico foi determinada pela adição de culturas de macrófagos em diferentes concentrações de Canova na presença ou ausência de P. brasiliensis. Os dados revelaram o efeito protetor do Canova em animais infectados por P. brasiliensis. Uma produção maior de óxido nítrico foi encontrada em culturas tratadas com Canova. Estes dados sugerem que o Canova ativa os macrófagos por um caminho que depende, ao menos em parte, do óxido nítrico.

Ano de publicação: 2006

Em: Indian Journal of Pharmacology

Clique aqui para baixar este Trabalho em PDF

Ação do medicamento Canova® em macrófagos peritoneais residentes infectados por Trypanosoma cruzi (2008)

Aproximadamente 20 milhões de pessoas são cronicamente infectadas pelo Trypanosoma cruzi na América Latina. O presente trabalho investigou a ação do medicamento homeopático Canova® em infecções experimentais “in vitro” com Trypanosoma cruzi, cepa Y, usando macrófagos residentes peritoneais de camundongos suíços. Os resultados indicaram que Canova® induz a diminuição significativa da produção de H2O2 e TNF-α em concentrações de 20 e 40%, quando comparado com o controle RPMI. Quando comparado com o excipiente do medicamento, observou-se diminuição na concentração destes mediadores apenas na concentração de 40%. A produção de NO e a atividade fagocítica não foram afetadas. TNF-α inibe a replicação do protozoário em macrófagos peritoneais “in vitro”, mostrando-se importante agente para o controle da infecção pelo parasita. Portanto, o medicamento Canova® poderia inibir o processo de infecção, pois promoveu inibição da produção de TNF-α por macrófagos peritoneais residentes “in vitro”. Estudos adicionais devem ser realizados com macrófagos elicitados, a fim de confirmar a atividade inibitória da Canova® sobre a produção de TNF-α e outros mediadores em macrófagos infectados por T. cruzi.

Ano de publicação: 2008

Em: Acta Sci. Health Sci. Maringá

Clique aqui para baixar este Trabalho em PDF

Diferenciação de monócitos humanos in vitro seguidos de exposição ao Canova na ausência de citocinas (2008)

Canova é um imunomodulador de preparação homeopática que tem demonstrado ativar macrófagos in vitro e in vivo, com a consequente melhora na disseminação de células e formação de extensões de microvilosidades no corpo da célula. Uma vez que os monócitos são células precursoras de macrófagos e células dendríticas, o objetivo do presente estudo foi investigar os efeitos do Canova sobre a diferenciação de monócitos sanguíneos humanos in vitro. Os monócitos foram isolados, cultivados em cultura, e expostos a soluções do medicamento Canova a 10 e 20% e sem a adição de citocinas. Após 48 horas, os monócitos foram preparados para análise por microscopia eletrônica de varredura, enquanto as células mantidas em cultura por 7 dias e expostas ao Canova nos dias 1, 3, e 4 foram analisadas por citometria de fluxo para alterações nos níveis de expressão de CD1a, CD11c, CD14, CD80, CD83, CD86 e HLA-DR. SEM revelou que os monócitos expostos a 10% Canova tiveram uma aparência morfológica similar ao dos macrófagos.Várias projeções citoplasmáticas foram observadas com a formação de pseudópodes. Análise de fluxo citométrico após a exposição dos monócitos à 10 e 20% de Canova indicaram viabilidade celular elevada e a regulação positiva de CD80, compatível com a diferenciação em ambos os macrófagos ou células dendríticas. A exposição ao Canova por si só provoca a ativação de monócitos com uma diferenciação resultante em grandes células semelhantes a macrófagos de fenótipo indeterminado e o aumento da expressão de CD80. Tal como as citocinas, Canova induz a diferenciação de monócitos, uma atividade que pode sustentar a atividade imunomoduladora deste produto.

Ano de publicação: 2008

Em: Ultrastructural Pathology

Clique aqui para baixar este Trabalho em PDF

Macrófagos residentes em 2A e tratados com Canova em 2B. Notar a grande quantidade de vesículas vermelhas nas projeções celulares e o grande núcleo verde nos tratados.

Medicamento Canova e plantas medicinais no sul do Brasil (2008)

O Brasil é um dos países com a maior biodiversidade do planeta. Sua cultura popular é particularmente rica e suas plantas medicinais, muitas vezes, são utilizadas para melhorar a função do corpo. No Brasil, a população utiliza diversas plantas, geralmente preparadas por infusão (chá) como sucos naturais e alimentos. Não há predomínio da utilização de qualquer parte específica da planta, em alguns casos, a totalidade dela é empregada. Os óleos essenciais e extratos de etanol a partir das folhas e/ou raízes de plantas medicinais são também geralmente utilizadas. No entanto, o desenvolvimento de agentes fitoterápicos usando a enorme biodiversidade brasileira aliada ao conhecimento popular, ainda não é satisfatório. Estudos científicos confirmam a eficácia e segurança dos produtos obtidos da biodiversidade do Brasil, permitindo a sua utilização como um medicamento. Atualmente as pesquisas de plantas medicinais tem aumentado e seus resultados são bastante satisfatórios. O modelo biológico utilizado em nosso laboratório (cultura de células) e as técnicas de microscopia, são apropriados para avaliar os mecanismos de ação de alguns fitoterápicos bem como de produtos homeopáticos. Canova demonstrou ser um Imunomodulador eficaz. Os resultados pesquisados são muito interessantes já que algumas dessas substâncias e/ou medicamentos ativam o sistema imunológico, permitindo uma defesa natural contra as células tumorais, bem como, parasitas e outros agentes infecciosos.

Ano de publicação: 2008

Em: Research Signpost

Clique aqui para baixar este Trabalho em PDF

Mudanças no perfil RAPD do Trypanosoma cruzi II com Canova e Benznidazole (2008)

A doença de chagas, causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi, envolve processos mediados pela imunidade. Canova (CA) é um tratamento homeopático indicado em doenças nas quais o sistema imune está comprometido. Este estudo avaliou o perfil da amplificação randômica de DNA polimórfico (RAPD) do T. cruzi sob a influência de CA e Benznidazole (BZ). Camundongos infectados com a linhagem genética do T. cruzi II (cepa Y) foram divididos em 4 grupos: animais infectados tratados com solução salina (grupo controle); tratados com CA; tratados com BZ; tratados com CA e BZ combinados. Tratamento foi dado nos dias 5-25 de infecção (D5–25). Os parasitas foram isolados por hemocultura em LIT média: nos D5 (antes do tratamento), D13, 15 e 25 (durante tratamento) e D55 e 295 (pós tratamento), o DNA foi extraído da massa de parasitas. RAPD foi feito com lgt11-F, M13F-40 e L15996, os produtos amplificados foram eletroforesados através de 4% poliacrilamida em gel. Dados foram analisados pelo coeficiente de similaridade utilizando programa DNA-POP. 163 marcadores foram identificados. CA não agiu contra os parasitas quando utilizado sozinho. Os perfis RAPD de parasitas tratados com BZ e CA + BZ foram diferentes daquele do grupo controle e do grupo tratado com Canova. As ações de CA e BZ foram diferentes e a ação de BZ foi diferente da ação de CA + BZ. Esses dados sugerem que CA pode interagir com BZ. As diferenças no perfil RAPD da cepa Y do T. cruzi produzido por BZ, CA + BZ e o curso natural da infecção sugerem seleção/supressão das populações.

Ano de publicação: 2008

Em: Homeopathy

Clique aqui para baixar este Trabalho em PDF

Perfil de Expressão Gênica de Macrófagos de Camundongos seguindo tratamento com medicamento imunomodulador (2008)

O Canova (CA) é um medicamento homeopático complexo utilizado em doenças onde o sistema imune está deprimido. Estudos anteriores demonstraram que ele não é tóxico nem mutagênico, e que ativa os macrófagos. Nós agora avaliamos os efeitos do Canova na produção de citocinas e expressão gênica em macrófagos de camundongos. A visão global das mudanças em expressão de genes com funções conhecidas pode proporcionar uma vívida imagem da maneira na qual as células se adaptam em ambiente de mudança ou desafio. Nós encontramos uma diminuição na produção de IL-2 e IL-4 e uma expressão diferencial em 147 genes no grupo CA. Estes genes estão principalmente envolvidos na transcrição/tradução, estrutura e dinâmica celular, resposta imune, citoproteção, processo enzimático, e receptores/ligantes. A partir dessas análises podemos concluir que o CA provoca reações celulares que envolvem alterações no perfil de expressão de genes, principalmente os relacionados com a ativação de macrófagos, corroborando a pesquisa laboratorial e dados clínicos.

Ano de publicação: 2008

Em: Journal of Cellular Biochemistry

Clique aqui para baixar este Trabalho em PDF

Eletromicrografia de macrófagos residentes (1A) e ativado pelo tratamento com Canova (1B).

Proliferação de linfócitos estimulada por macrófagos humanos ativados tratados com Canova (2009)

Canova (CA) é um medicamento homeopático com propriedades imunomoduladoras, recomendado para pacientes com sistema imune deprimido. Canova tem sido reportado por aumentar o número de leucócitos, diferenciação celular e redução do tamanho do tumor. Como o Canova pode estimular a diferenciação, proliferação e/ou sobrevivência de linfócitos, o objetivo deste estudo era comparar os índices de mitose (MI) de linfócitos humanos estimulados por phytohemagglutinin, em cultura suplementada mediamente com macrófagos humanos ativados pelo Canova e com linfócitos em cultura sem macrófagos ativados pelo Canova. Neste estudo, o MI de linfócitos em cultura que receberam os macrófagos estimulados pelo Canova mostraram um índice mais alto de proliferação (p < 0.01) em relação aos linfócitos em cultura num meio sem macrófagos ativados pelo Canova. Nossos resultados sugerem que o tratamento com Canova, além de ativar os macrófagos, indiretamente induz a proliferação de linfócitos e é potencialmente um novo método terapêutico adjuvante.

Ano de publicação: 2009

Em: Homeopathy

Clique aqui para baixar este Trabalho em PDF

Células controle acima e células tratadas com Canova abaixo.

Medicamento Canova modifica os parâmetros parasitológicos em camundongos infectados com Trypanosoma cruzi (2010)

O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito do medicamento Canova, um modulador homeopático do sistema imune, sobre a evolução da infecção induzida pela cepa Y do Trypanosoma cruzi em camundongos. Os animais foram divididos em cinco grupos: (i) controles infectados não tratados (I), (ii) de animais infectados tratados com benzonidazol (BZ), (iii) animais infectados e tratados com o medicamento Canova (CM), (iv) animais infectados e tratados com o benzonidazol e o medicamento Canova (Bz + MC) e (v) controles não infectados que receberam apenas o veículo (álcool de grão) (C). Os parâmetros avaliados foram: mortalidade, parasitemia, controle de cura, e análise de parasitismo tecidual. Nossos resultados mostraram que a evolução da infecção experimental foi modificada pelo tratamento com CM, e o número de amastigotas / ninhos no baço foi significativamente reduzido, enquanto no tecido cardíaco, intestino e fígado o número aumentou significativamente em comparação com animais controle infectado.

Ano de publicação: 2010

Em: Experimental Parasitology 126

Clique aqui para baixar este Trabalho em PDF

Carcinogenesis Gástrica Experimental em Primatas não humanos Cebus apella (2011)

A evolução da carcinogênese gástrica permanece em grande parte desconhecida. Nosso grupo de pesquisa estabeleceu dois modelos de carcinogênese gástrica em primatas não humanos do novo mundo, no primeiro modelo, a linhagem celular de câncer gástrico ACP03 foi inoculada em 18 animais. No segundo modelo, 6 animais foram tratados com N-metil-nitrosoureia (MNU). Os animais que desenvolveram câncer gástrico foram também tratados com o imunomodulador Canova. Análises clínicas, hematológicas e bioquímicas, incluindo Proteína C-reativa, ácido fólico, e homocisteína foram realizadas neste estudo. A expressão e o número de cópias do gene MYC foram também avaliados. Observamos que todos os animais inoculados com a linhagem ACP03 desenvolveram câncer gástrico no 9º dia, porém no 14º dia apresentaram remissão total do tumor. No segundo modelo, todos os animais desenvolveram lesões pré-neoplásicas e cinco morreram de intoxicação por drogas antes do desenvolvimento do câncer. O último animal sobrevivente tratado com MNU desenvolveu adenocarcinoma gástrico do tipo intestinal, observado por endoscopia no 940º dia. O nível de proteína C-reativa e a concentração de homocisteína aumentaram, enquanto que o nível de ácido fólico diminuiu com a presença de tumores nos animais inoculados com ACP03 e tratados com MNU. A inoculação com ACP03 também levou a anemia e leucocitose. Os resultados hematológicos e bioquímicos observados em pacientes com câncer gástrico confirmam que nossos modelos in vivo são potencialmente úteis para estudar essa neoplasia. Nos animais inoculados com a linhagem celular, detectamos imunorreatividade da proteína MYC, superexpressão do seu RNAm, e amplificação gênica, tal como anteriormente observado in vitro. Em animais tratados com MNU, a expressão do RNAm e o número de cópias do gene MYC aumentou durante as etapas seqüenciais de carcinogênese gástrica de tipo intestinal e a imunorreatividade foi apenas observada na metaplasia intestinal e no câncer gástrico. Assim, desregulação do gene MYC suporta o processo de carcinogênese gástrica. O Imunomodulador Canova restaurou vários parâmetros hematológicos e, portanto, pode ser aplicado durante e depois a quimioterapia, para aumentar a tolerabilidade e duração de tratamentos contra câncer.

Ano de publicação: 2011

Em: Plos One

Clique aqui para baixar este Trabalho em PDF

Proliferação de linfócitos estimulada por macrófagos ativados de Cebus apella tratados com um complexo homeopático modificador da resposta imune. (2012)

Introdução: O medicamento Canova é complexo homeopático que melhora a resposta imunológica específica contra várias condições exógenas e endógenas. Canova ativa os macrófagos in vivo e in vitro. Objetivo e método: Foram avaliados os efeitos de macrófagos ativados pelo Canova in vivo e ex vitro na proliferação de linfócitos. Canova foi usado para ativar macrófagos de Cebus apella in vivo e ex vitro. Os linfócitos foram cultivados com o meio de cultura de macrófagos. As análises dos efeitos do Canova em cultura de linfócitos foram realizadas de acordo com a fase do ciclo celular, utilizando citometria de fluxo. A quantificação das citocinas interferon gama e interleucina-5, no meio de cultura dos linfócitos, foi realizada pela metodologia de ELISA. Resultados: Observou-se que Canova ativa macrófagos in vivo e ex vitro. Linfócitos cultivados em um meio suplementado por macrófagos ativados pelo Canova, apresentaram maior número de células em proliferação que linfócitos não expostos a macrófagos ativados por Canova. As citocinas, interferon gama e interleucina-5, só foram detectadas no meio de cultura de linfócitos expostos a macrófagos ativados por Canova. Assim, Canova tem potencial para ser um novo terapêutico adjuvante. Homeopathy (2012) 101, 74 e 79.

Ano de publicação: 2012

Em: Homeopathy

Clique aqui para baixar este Trabalho em PDF

Efeito protetor do medicamento homeopático Canova em primatas não humanos tratados com ciclofosfamida. (2012)

Introdução: Canova ativa os macrófagos e, indiretamente, induz a proliferação de linfócitos. Neste estudo foi avaliado o efeito do Canova em primatas tratados com ciclofosfamida. Métodos: Doze “Cebus apella” foram avaliados. Quatro animais foram tratados apenas com Canova. Oito animais foram tratados com duas doses de ciclofosfamida (50 mg/kg) e quatro desses animais receberam Canova. Análises de peso corporal, bioquímica e hematologia foram realizadas por 40 dias. Os ensaios de micronúcleos e Cometa foram realizados para a avaliação de danos no DNA. Resultados: Observou-se que a ciclofosfamida induziu uma contagem anormal de leucócitos em todos os animais. Contudo, o grupo tratado com ciclofosfamida e Canova apresentou uma maior contagem de leucócitos do que aquele que recebeu apenas ciclofosfamida. A ciclofosfamida induziu micronúcleos e danos ao DNA em todos os animais. A frequencia destas alterações foi significativamente menor no grupo Canova do que no grupo sem esse medicamento. Conclusões: Nossos resultados demonstraram que o tratamento com Canova minimiza mielotoxidade da ciclofosfamida em “Cebus apella”.

Ano de publicação: 2012

Em: Food and Chemical Toxicology 50 (2012) 4412–4420

Clique aqui para baixar este Trabalho em PDF

Avaliação da Resposta Imunológica Celular de Cebus apella Exposto ao Agente Cancerígeno N-Metil-N-nitrosoureia e Tratado com CANOVA®. (2014)

O modificador da resposta imunitária Canova® é um medicamento
 homeopático indicado para pacientes com sistema imune deprimido, uma vez que este medicamento parece aumentar a adaptação imunonógica e induz uma resposta imune contra múltiplas e graves condições patológicas, incluindo câncer, nós decidimos avaliar o padrão de resposta imune celular em primatas não humanos da espécie Cebus apella expostos a Nmethyl- N-nitrosourea (MNU) com e sem Canova®. 
Doze animais foram divididos em quatro grupos, com três animais cada: controle negativo e três grupos experimentais, somente MNU (35 dias); MNU (35 dias) mais 
Canova® (3 dias) e somente Canova® (3 dias). Os animais receberam MNU oralmente e Canova® por via endovenosa três aplicações. A avaliação da resposta imune celular foi realizada por imunofenotipagem de linfócitos T (CD4 +, CD8 +), linfócitos B e células Natural Killers (matadoras naturais), também foram realizadas análises do ciclo celular. Nossos resultados sugerem um aumento de linfócitos T (CD4 +CD3+) apenas no grupo Canova®, enquanto que no grupo MNU + Canova® somente os linfócitos B aumentaram.

Ano de publicação: 2014

Em: in vivo 28: 837-842 (2014)

Clique aqui para baixar este artigo em PDF

Avaliação dos parâmetros bioquímicos, hematológicos e genotóxicos de Cebus Apella tratados com N-metil-nitrosureia (NMU) seguidos pelo tratamento com um composto homeopático complexo Canova (2016)

Canova é um composto homeopático que apresenta propriedades antimutagênicas e anticancerígenas. A N-metil-nitrosoureia é um agente cancerígeno que provoca alterações no DNA. Este estudo foi conduzido para avaliar os efeitos antimutagênicos do Canova em primatas não humanos de Cebus apella tratados com N-metil-nitrosoureia. Seis animais foram aleatoriamente distribuídos em dois grupos, um composto por dois animais, que receberam apenas N-metil-nitrosoureia (grupo NMU) e outro composto por quatro animais tratados com N-metil-nitrosoureia seguido de tratamento com Canova (grupo CA). Foram realizadas análises bioquímica, hematológica e do peso corporal. Teste do micronúcleos e Ensaio Cometa foram realizadas para avaliar a genotoxicidade. O tratamento com N-metil-nitrosoureia levou a uma redução global da contagem de células hematológicas e a administração de Canova limitou os efeitos adversos no sistema hematológico no grupo CA. Canova também reduziu a frequência de micronúcleos e o índice de danos ao DNA. Sugere-se que Canova pode atuar como modulador da resposta imune induzindo a proliferação de leucócitos.

Ano de publicação: 2016

Em: Homeopathy (2016) 105, 265e269

Clique aqui para baixar este Trabalho em PDF

Avaliação in vitro dos efeitos anticitotóxicos e antigenotóxicos de CANOVA

CANOVA (CA) é um imunomodulador homeopático. Ele contém diversos compostos homeopáticos preparados de acordo com a Farmacopeia Brasileira. CA é indicado em condições clínicas em que o sistema imunitário está prejudicado e contra tumores. N-metil-N-nitrosoureia (NMU) é um composto N-nitroso, com propriedades genotóxicas/mutagênicas. Embora vários estudos tenham mostrado resultados promissores no uso de CA, não existem estudos que relatem possíveis efeitos antigenotóxicos. Método: Este estudo avaliou os efeitos antigenotóxicos e anticitotóxicos in vitro de CA em linfócitos humanos expostos a NMU. Foram usadas amostras de linfócitos humanos que foram submetidas à diferentes concentrações de uma mistura contendo CA e NMU. A genotoxicidade/antigenotoxicidade de CA foi avaliada pelo ensaio cometa, a anticitotoxicidade foi avaliada por quantificação de apoptose e necrose utilizando laranja de acridina/brometo de etídio. Resultados: CA reduziu significativamente o dano ao DNA induzido por NMU e reduziu significativamente a frequência de apoptose induzida por NMU após 24 h de tratamento. Conclusão: A CA tem um importante efeito citoprotetor reduzindo significativamente os danos no DNA e na apoptose induzida pelo carcinogênico NMU.

Ano de publicação: 2016

Em: Journal of Biotherapy

Clique aqui para baixar este artigo em PDF

Os medicamentos homeopáticos CANOVA® são produzidos com padrões rígidos de qualidade e segurança, e devem ser utilizados como qualquer outra medicação, sob orientação e acompanhamento médico.